Novos tratamentos e parcerias auxiliam na cura de pacientes com câncerNovos tratamentos e parcerias auxiliam na cura de pacientes com câncer

08-05-2015

Divulgação Oncoclínicas do Brasil 
08 de Abril de 2015

O Dia 8 de abril marca a luta mundial de combate ao câncer. A data foi instituída para conscientizar a população sobre a importância de medidas de prevenção e de rastreamento (visando diagnóstico precoce), além de alertar os gestores públicos sobre o impacto gerado por investimentos em políticas públicas em oncologia. Conforme o Inca (Instituto Nacional do Câncer), a estimativa para o ano de 2015 é de aproximadamente 576 mil casos novos de câncer no Brasil. Apesar do aumento anual da incidência, a incorporação de novas técnicas de prevenção e diagnóstico associada aos avanços em pesquisas de novas opções terapêuticas garantem altas taxas de sobrevida a longo prazo e de cura dos pacientes.

O oncologista clínico na Oncocentro de Minas Gerais, Bruno Ferrari, afirma que os tratamentos estão cada vez mais individualizados e, consequentemente, mais eficazes e menos agressivos. Este resultado está relacionado a avanços no entendimento da biologia tumoral, identificando o tratamento mais adequado para cada caso. “Hoje, temos as chamadas terapias-alvo e os medicamentos de modulação imunobiológica que são as chamadas “drogas inteligentes”. Tais tratamentos propiciam resultados fantásticos e sem precedentes”, ressalta.

As parcerias técnico-científicas em oncologia também são responsáveis por garantirem melhores resultados nos tratamentos. Ferrari revela que a Oncoclínicas do Brasil recentemente estabeleceu uma parceria exclusiva com um dos mais renomados centros de pesquisa e tratamento do câncer no mundo: o Dana-Farber Cancer Institute – Harvard University. A parceria reforça a filosofia da rede em crescer baseando-se em três princípios: conhecimento científico, incorporação de novas tecnologias e parcerias. “Semanalmente, os mais de 200 médicos brasileiros da Oncoclínicas e o corpo clínico do Dana-Farber Cancer Institute compartilham experiências em discussões de casos clínicos, gerando opções de tratamento e soluções individualizadas com grande eficiência”, afirma.

O oncologista conta ainda que a parceria é extremamente importante para garantir que os nossos pacientes tenham acesso a um tratamento mais eficaz com a indicação dos melhores medicamentos e procedimentos para cada caso. O intercâmbio estabelecido entre as instituições coloca a disposição do corpo clínico da Oncoclínicas técnicas, procedimentos e protocolos terapêuticos em desenvolvimento, além de medicamentos ainda não disponíveis no Brasil. Esta iniciativa pioneira contribui sobremaneira para o desenvolvimento cientifico da medicina brasileira.

Apesar da alta taxa de cura, atualmente o câncer de mama é o que mais leva as mulheres a óbito. Conforme o Instituto Nacional de Câncer (Inca), 57.120 novos casos são estimados para este ano. Em Minas, o número chega a 5.210 novos casos. Recentemente, o tratamento contra a doença ganhou mais um aliado. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou um medicamento para o tratamento desse tipo de carcinoma que causa menos efeitos colaterais. O remédio trastuzumabe entansina (também chamado de T-DM1)  atua diretamente no tumor em vez de afetar todas as células do corpo. “Cada vez mais o corpo médico trabalha com pesquisas e estudos que avançam em parcerias técnico-científicas e novas opções terapêuticas. As ações buscam melhorar a vida dos pacientes”, ressalta o presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia- MG Clécio Lucena.

O câncer de mama é um tumor maligno que se desenvolve como consequência de alterações genéticas em um conjunto de células localizadas na mama. Entretanto, a enfermidade, que ocorre principalmente em mulheres, não excluindo o público masculino, é mais comum se desenvolver a partir dos 40 anos. As taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estádios avançados. “A melhor forma de evitar o tumor avançado é a realização de exames preventivos, pois, se diagnosticado na fase inicial, as chances de cura dessa doença podem chegar a 90%. O Dia Mundial de Combate ao Câncer é importante para alertar e lembrar as mulheres quanto ao cuidado com o próprio corpo, e como a prevenção pode salvar vidas. Um dos métodos mais eficientes para detectar o tumor precocemente é a mamografia (radiografia das mamas)”, orienta Lucena.

Fonte: http://www.dzai.com.br/jessiandrade/noticia/montanoticia?tv_ntc_id=111859

Divulgação Oncoclínicas do Brasil 
08 de Abril de 2015

O Dia 8 de abril marca a luta mundial de combate ao câncer. A data foi instituída para conscientizar a população sobre a importância de medidas de prevenção e de rastreamento (visando diagnóstico precoce), além de alertar os gestores públicos sobre o impacto gerado por investimentos em políticas públicas em oncologia. Conforme o Inca (Instituto Nacional do Câncer), a estimativa para o ano de 2015 é de aproximadamente 576 mil casos novos de câncer no Brasil. Apesar do aumento anual da incidência, a incorporação de novas técnicas de prevenção e diagnóstico associada aos avanços em pesquisas de novas opções terapêuticas garantem altas taxas de sobrevida a longo prazo e de cura dos pacientes.

O oncologista clínico na Oncocentro de Minas Gerais, Bruno Ferrari, afirma que os tratamentos estão cada vez mais individualizados e, consequentemente, mais eficazes e menos agressivos. Este resultado está relacionado a avanços no entendimento da biologia tumoral, identificando o tratamento mais adequado para cada caso. “Hoje, temos as chamadas terapias-alvo e os medicamentos de modulação imunobiológica que são as chamadas “drogas inteligentes”. Tais tratamentos propiciam resultados fantásticos e sem precedentes”, ressalta.

As parcerias técnico-científicas em oncologia também são responsáveis por garantirem melhores resultados nos tratamentos. Ferrari revela que a Oncoclínicas do Brasil recentemente estabeleceu uma parceria exclusiva com um dos mais renomados centros de pesquisa e tratamento do câncer no mundo: o Dana-Farber Cancer Institute – Harvard University. A parceria reforça a filosofia da rede em crescer baseando-se em três princípios: conhecimento científico, incorporação de novas tecnologias e parcerias. “Semanalmente, os mais de 200 médicos brasileiros da Oncoclínicas e o corpo clínico do Dana-Farber Cancer Institute compartilham experiências em discussões de casos clínicos, gerando opções de tratamento e soluções individualizadas com grande eficiência”, afirma.

O oncologista conta ainda que a parceria é extremamente importante para garantir que os nossos pacientes tenham acesso a um tratamento mais eficaz com a indicação dos melhores medicamentos e procedimentos para cada caso. O intercâmbio estabelecido entre as instituições coloca a disposição do corpo clínico da Oncoclínicas técnicas, procedimentos e protocolos terapêuticos em desenvolvimento, além de medicamentos ainda não disponíveis no Brasil. Esta iniciativa pioneira contribui sobremaneira para o desenvolvimento cientifico da medicina brasileira.

Apesar da alta taxa de cura, atualmente o câncer de mama é o que mais leva as mulheres a óbito. Conforme o Instituto Nacional de Câncer (Inca), 57.120 novos casos são estimados para este ano. Em Minas, o número chega a 5.210 novos casos. Recentemente, o tratamento contra a doença ganhou mais um aliado. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou um medicamento para o tratamento desse tipo de carcinoma que causa menos efeitos colaterais. O remédio trastuzumabe entansina (também chamado de T-DM1)  atua diretamente no tumor em vez de afetar todas as células do corpo. “Cada vez mais o corpo médico trabalha com pesquisas e estudos que avançam em parcerias técnico-científicas e novas opções terapêuticas. As ações buscam melhorar a vida dos pacientes”, ressalta o presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia- MG Clécio Lucena.

O câncer de mama é um tumor maligno que se desenvolve como consequência de alterações genéticas em um conjunto de células localizadas na mama. Entretanto, a enfermidade, que ocorre principalmente em mulheres, não excluindo o público masculino, é mais comum se desenvolver a partir dos 40 anos. As taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estádios avançados. “A melhor forma de evitar o tumor avançado é a realização de exames preventivos, pois, se diagnosticado na fase inicial, as chances de cura dessa doença podem chegar a 90%. O Dia Mundial de Combate ao Câncer é importante para alertar e lembrar as mulheres quanto ao cuidado com o próprio corpo, e como a prevenção pode salvar vidas. Um dos métodos mais eficientes para detectar o tumor precocemente é a mamografia (radiografia das mamas)”, orienta Lucena.

Fonte: http://www.dzai.com.br/jessiandrade/noticia/montanoticia?tv_ntc_id=111859