Contra falta de troco em moeda, mercado inventa soluções criativas para os clientesContra falta de troco em moeda, mercado inventa soluções criativas para os clientes

27-10-2014

Divulgação Catamoeda®
27 de Outubro de 2014

Comprador consegue trocar moedas por cupons acrescidos de bônus ou mesmo receber o troco em uma conta virtual para depois sacar o dinheiro

As moedas (ou a falta delas) são um problema para lojistas e consumidores, em especial no fim do ano, quando o movimento cresce. Mas o mercado tem se inovado para criar soluções para a falta de troco ou para aqueles que não gostam de carregar moedinhas. Algumas trocam metal por papel, outras podem ser consideradas os novos cofrinhos dos poupadores.

Segundo o Banco Central, a cada 10 moedas em circulação, só seis são usadas no dia a dia. Outras quatro estão guardadas. Há 112 moedas por brasileiro – ou R$ 28. Mas a maioria (39%) carrega diariamente entre R$ 2 e R$ 3 em moedas.

Há ao menos duas soluções no mercado que ajudam o consumidor. O Piggo, que oferece troco virtual em vez de moedas, e o CataMoeda, em que se pode trocar moedas por notas, cupons ou doações a instituições de caridade.

Morador de Maceió, o CEO da startup Piggo, Bruno Peixoto, percebeu o problema das moedas em janeiro de 2013 ao comprar um iogurte natural por R$ 8 que, no dia seguinte passou a valer R$ 9. “O vendedor estava desesperado porque não sabia como conseguiria moedas de R$ 1 para dar de troco”, lembra.

Em setembro, o Piggo passou a operar nas lojas. Agora, no lugar de devolver moedas de troco, o comerciante pode oferecer um depósito em uma conta virtual do Piggo, em nome do cliente. Pela internet, o consumidor pode verificar o saldo, recarregar o celular, transferir para outra conta Piggo ou conta bancária ou fazer doação.

Se aceitar receber o troco pelo sistema Piggo, o comprador recebe um código para depois acessar a internet, se cadastrar e passar a movimentar o dinheiro. O troco pode variar de R$ 0,01 a R$ 50. Não há custo de manutenção da conta e nas movimentações.

“Só se a pessoa transferir o dinheiro para uma conta bancária no valor abaixo de R$ 100 é cobrada uma taxa de R$ 3. Se for mais de R$ 100 não há tarifa”, explica Peixoto. O modelo incentiva o comprador a acumular trocos até somar mais de R$ 100 e não pagar nada pela transferência. Para o comércio, veio como uma solução para a falta de troco. “No fim de ano este problema se agrava, ainda mais em Maceió, uma cidade turística, onde tem muita gente gastando com papel- moeda. Tem comerciante que vai comprar moedas na igreja”, diz.

Moedas por cupons. No sul do País, em Florianópolis, nasceu o CataMoeda, que estimula o consumidor a deixar as moedas em máquinas localizadas no comércio e receber cupons com um bônus entre 2% a 5%. “Se a pessoa deposita R$ 10 em moedas, recebe um cupom de até R$ 10,50, que pode ser gasto na loja ou, em alguns casos, em toda a rede da marca”, diz a gerente de marketing da startup, Natália Izidoro. Há a opção de doar o dinheiro a instituições e, desde este mês, trocar as moedas por notas, mas sem nenhum bônus. “Quem define a porcentagem de bônus no caso do cupom ou se a máquina também pode trocar moeda por dinheiro é o comerciante”, afirma Natália.

A ideia do CataMoeda surgiu após uma viagem de três anos do empresário Victor Levy. “O Brasil é um dos países com mais caixas eletrônicos do mundo, mas antes do CataMoeda não existia um terminal que aceitasse moedas em grandes quantidades”, comenta. Atualmente há 166 mil caixas eletrônicos no País. Uma das fontes de inspirações de Levy, que já havia morado nos EUA antes da viagem, foi a Coinstar, empresa norte-americana que troca moedas por crédito no iTunes, outros serviços ou mesmo dinheiro. No caso na Coinstar, porém, para trocar por dinheiro é cobrada uma taxa de 10,9%. Para usar o CataMoeda não há custo.

As moedas ficam na própria loja, já separadas nos tubos da máquina. Em um ano de funcionamento, já foram coletadas 5,6 milhões de moedas ou R$ 1,4 milhão. A maioria da coleta (80%) é de moedas de R$ 0,05, R$ 0,10 e R$ 0,25.

O comerciante paga aluguel de R$ 490 a R$ 750 por mês ao CataMoeda para ter a máquina, manutenção e atualizações de software. Levy garante que vale a pena, já que, fora conseguir troco, fideliza o cliente que, após trocar moedas, ganha cupons para gastar na própria loja. “Estamos desenvolvendo uma máquina menor agora para comércios com menos espaço, como lojas de conveniência”, diz.

Onde encontrar. O sistema Piggo está em 22 lojas de Maceió. “O sistema, porém, está pronto para rodar em qualquer lugar”, diz Peixoto. Quando atingir 100 lojas, o Piggo buscará expandir a região.

No caso do CataMoeda, que desenvolve não só o sistema operacional, mas o hardware das máquinas, há 38 comércios parceiros. Está em Santa Catarina, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás e Minas Gerais. Os novos pontos de troca de moeda são atualizados no site da empresa.

Direito do consumidor. A falta de moedas para troco no comércio representa desrespeito ao Código de Defesa do Consumidor (CDC), segundo o Procon-SP. Pelos valores envolvidos serem baixos, porém, não há número relevante de reclamações. “Em geral, a prática mais comum é oferecer balas como troco. O consumidor não é obrigado a aceitar. O que não pode haver é arredondamento do preço de um produto. Se custa R$ 1,95, por exemplo, não pode ser cobrado R$ 2″, afirma a assessora jurídica do Procon-SP, Andrea Arantes.

Quem precisa de moedinhas para troco pode procurar agências do Banco do Brasil. Em 2011, foi renovado até 2016 um contrato entre o Banco Central e o Banco do Brasil para que este tenha guichês de fornecimento de moedas, tanto para pessoas físicas como jurídicas. O serviço está condicionado ao fornecimento de 100 unidades de cada moeda ou a dois kits de moedas de R$ 100 cada.

Fonte: http://economia.estadao.com.br/noticias/suas-contas,contra-falta-de-troco-em-moeda-mercado-inventa-solucoes-criativas-para-os-clientes,1583396

Divulgação Catamoeda®
27 de Outubro de 2014

Comprador consegue trocar moedas por cupons acrescidos de bônus ou mesmo receber o troco em uma conta virtual para depois sacar o dinheiro

As moedas (ou a falta delas) são um problema para lojistas e consumidores, em especial no fim do ano, quando o movimento cresce. Mas o mercado tem se inovado para criar soluções para a falta de troco ou para aqueles que não gostam de carregar moedinhas. Algumas trocam metal por papel, outras podem ser consideradas os novos cofrinhos dos poupadores.

Segundo o Banco Central, a cada 10 moedas em circulação, só seis são usadas no dia a dia. Outras quatro estão guardadas. Há 112 moedas por brasileiro – ou R$ 28. Mas a maioria (39%) carrega diariamente entre R$ 2 e R$ 3 em moedas.

Há ao menos duas soluções no mercado que ajudam o consumidor. O Piggo, que oferece troco virtual em vez de moedas, e o CataMoeda, em que se pode trocar moedas por notas, cupons ou doações a instituições de caridade.

Morador de Maceió, o CEO da startup Piggo, Bruno Peixoto, percebeu o problema das moedas em janeiro de 2013 ao comprar um iogurte natural por R$ 8 que, no dia seguinte passou a valer R$ 9. “O vendedor estava desesperado porque não sabia como conseguiria moedas de R$ 1 para dar de troco”, lembra.

Em setembro, o Piggo passou a operar nas lojas. Agora, no lugar de devolver moedas de troco, o comerciante pode oferecer um depósito em uma conta virtual do Piggo, em nome do cliente. Pela internet, o consumidor pode verificar o saldo, recarregar o celular, transferir para outra conta Piggo ou conta bancária ou fazer doação.

Se aceitar receber o troco pelo sistema Piggo, o comprador recebe um código para depois acessar a internet, se cadastrar e passar a movimentar o dinheiro. O troco pode variar de R$ 0,01 a R$ 50. Não há custo de manutenção da conta e nas movimentações.

“Só se a pessoa transferir o dinheiro para uma conta bancária no valor abaixo de R$ 100 é cobrada uma taxa de R$ 3. Se for mais de R$ 100 não há tarifa”, explica Peixoto. O modelo incentiva o comprador a acumular trocos até somar mais de R$ 100 e não pagar nada pela transferência. Para o comércio, veio como uma solução para a falta de troco. “No fim de ano este problema se agrava, ainda mais em Maceió, uma cidade turística, onde tem muita gente gastando com papel- moeda. Tem comerciante que vai comprar moedas na igreja”, diz.

Moedas por cupons. No sul do País, em Florianópolis, nasceu o CataMoeda, que estimula o consumidor a deixar as moedas em máquinas localizadas no comércio e receber cupons com um bônus entre 2% a 5%. “Se a pessoa deposita R$ 10 em moedas, recebe um cupom de até R$ 10,50, que pode ser gasto na loja ou, em alguns casos, em toda a rede da marca”, diz a gerente de marketing da startup, Natália Izidoro. Há a opção de doar o dinheiro a instituições e, desde este mês, trocar as moedas por notas, mas sem nenhum bônus. “Quem define a porcentagem de bônus no caso do cupom ou se a máquina também pode trocar moeda por dinheiro é o comerciante”, afirma Natália.

A ideia do CataMoeda surgiu após uma viagem de três anos do empresário Victor Levy. “O Brasil é um dos países com mais caixas eletrônicos do mundo, mas antes do CataMoeda não existia um terminal que aceitasse moedas em grandes quantidades”, comenta. Atualmente há 166 mil caixas eletrônicos no País. Uma das fontes de inspirações de Levy, que já havia morado nos EUA antes da viagem, foi a Coinstar, empresa norte-americana que troca moedas por crédito no iTunes, outros serviços ou mesmo dinheiro. No caso na Coinstar, porém, para trocar por dinheiro é cobrada uma taxa de 10,9%. Para usar o CataMoeda não há custo.

As moedas ficam na própria loja, já separadas nos tubos da máquina. Em um ano de funcionamento, já foram coletadas 5,6 milhões de moedas ou R$ 1,4 milhão. A maioria da coleta (80%) é de moedas de R$ 0,05, R$ 0,10 e R$ 0,25.

O comerciante paga aluguel de R$ 490 a R$ 750 por mês ao CataMoeda para ter a máquina, manutenção e atualizações de software. Levy garante que vale a pena, já que, fora conseguir troco, fideliza o cliente que, após trocar moedas, ganha cupons para gastar na própria loja. “Estamos desenvolvendo uma máquina menor agora para comércios com menos espaço, como lojas de conveniência”, diz.

Onde encontrar. O sistema Piggo está em 22 lojas de Maceió. “O sistema, porém, está pronto para rodar em qualquer lugar”, diz Peixoto. Quando atingir 100 lojas, o Piggo buscará expandir a região.

No caso do CataMoeda, que desenvolve não só o sistema operacional, mas o hardware das máquinas, há 38 comércios parceiros. Está em Santa Catarina, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás e Minas Gerais. Os novos pontos de troca de moeda são atualizados no site da empresa.

Direito do consumidor. A falta de moedas para troco no comércio representa desrespeito ao Código de Defesa do Consumidor (CDC), segundo o Procon-SP. Pelos valores envolvidos serem baixos, porém, não há número relevante de reclamações. “Em geral, a prática mais comum é oferecer balas como troco. O consumidor não é obrigado a aceitar. O que não pode haver é arredondamento do preço de um produto. Se custa R$ 1,95, por exemplo, não pode ser cobrado R$ 2″, afirma a assessora jurídica do Procon-SP, Andrea Arantes.

Quem precisa de moedinhas para troco pode procurar agências do Banco do Brasil. Em 2011, foi renovado até 2016 um contrato entre o Banco Central e o Banco do Brasil para que este tenha guichês de fornecimento de moedas, tanto para pessoas físicas como jurídicas. O serviço está condicionado ao fornecimento de 100 unidades de cada moeda ou a dois kits de moedas de R$ 100 cada.

Fonte: http://economia.estadao.com.br/noticias/suas-contas,contra-falta-de-troco-em-moeda-mercado-inventa-solucoes-criativas-para-os-clientes,1583396