Fábrica de filmes fotovoltaicos é inaugurada em Belo HorizonteFábrica de filmes fotovoltaicos é inaugurada em Belo Horizonte

11-11-2015

Divulgação SUNEW
Fonte: Diário do Comércio
11 de Novembro de 2015

Unidade recebeu investimentos de R$ 100 milhões

Foi inaugurada ontem, no Campus Cetec, localizado no bairro do Horto (região Leste da Capital), a Sunew, fábrica de filmes plásticos orgânicos para conversão de energia solar em elétrica, que promete ser destaque na próxima geração de painéis solares. Com investimentos de R$ 100 milhões, a empresa já nasce como uma das líderes globais do segmento, com capacidade de produção acima dos 300 mil metros quadrados por ano, o equivalente a dezenas de megawatts.

A companhia é fruto da parceria do Csem Brasil com o BNDESPar, FIR Capital, Tradener e CMU Energia. O Csem Brasil é o responsável pelo desenvolvimento da tecnologia necessária à produção das chamadas placas OPV (sigla em inglês para painéis fotovoltaicos orgânicos). O método, 100% brasileiro, surge como a mais nova solução para a geração de energia solar.

“São painéis orgânicos feitos com materiais plásticos não tóxicos, num processo produtivo inovador e único no mundo. Isso não somente vai permitir com que Minas e o Brasil liderem a próxima geração de painéis, mas também permear a possibilidade da produção de eletrônica orgânica no Estado. Temos todas as condições para, futuramente, sediar um Vale da Eletrônica Orgânica por aqui”, resume o CEO do Csem Brasil e sócio da FIR Capital, Tiago Alves.

Alves explica que a fábrica já está em operação, trabalhando em projetos iniciais customizados para segmentos diversos e atendendo a parceiros de grande relevância, como Fiat e Votorantim. Segundo ele, os primeiros seis meses de atuação serão dedicados a projetos customizados. Depois os painéis serão disponibilizados para um mercado mais amplo. “No próximo mês, por exemplo, já será possível avistar os filmes na fachada de um prédio em São Paulo”, revela.

A Sunew conta com um método diferenciado de impressão de painéis fotovoltaicos usando materiais orgânicos. A capacidade produtiva da planta inaugurada em Belo Horizonte existe em escala apenas na Europa e no Japão. “De todas as fontes renováveis de energia, a solar é mais disponível e a que mais cresce no mundo. O Brasil tem grande potencial de participação nesse mercado, hoje liderado por países como Alemanha e Espanha. E que deve crescer, em média, 10,5% nos próximos anos”, explica.

Diferenciais  - O CEO ressalta que os principais diferenciais da geração de energia em OPV dizem respeito à espessura e à flexibilidade. Mas pondera que o custo ainda é elevado, inclusive superior às tradicionais placas de silício. Porém, ele lembra que as inúmeras possibilidades de aplicações do filme permitem à empresa explorar mercados ainda não tão acessíveis às tecnologias tradicionais, sobretudo pelo aspecto do design, transparência, maleabilidade e peso. “Entre as diversas aplicações possíveis estão fechadas de prédios, mobiliário urbano, superfícies de reservatórios, automóveis e galpões metálicos”, cita.

Já o CEO da FIR Capital, David Travesso, destaca a aposta da empresa no negócio, bem como dos parceiros, citando o governo de Minas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) e da Secretaria de Ciência e Tecnologia.

“Esperamos que esse negócio sirva de base para a concepção de uma nova indústria no País. A Sunew foge dos padrões da indústria tradicional. E nosso principal objetivo é transformá-la em uma grande oportunidade de negócios. Além dos objetivos empresariais de retorno, desejamos que sirva como desafio para que tenhamos outros empreendedores fazendo a mesma coisa para o Brasil, pois acreditamos que a transformação do País passa pela necessidade de se fazer diferente do que se faz hoje”, conclui.

Fonte: http://www.diariodocomercio.com.br/noticia.php?tit=fabrica_de_filmes_fotovoltaicos_e_inaugurada_em_belo_horizonte&id=162402

Divulgação SUNEW
Fonte: Diário do Comércio
11 de Novembro de 2015

Unidade recebeu investimentos de R$ 100 milhões

Foi inaugurada ontem, no Campus Cetec, localizado no bairro do Horto (região Leste da Capital), a Sunew, fábrica de filmes plásticos orgânicos para conversão de energia solar em elétrica, que promete ser destaque na próxima geração de painéis solares. Com investimentos de R$ 100 milhões, a empresa já nasce como uma das líderes globais do segmento, com capacidade de produção acima dos 300 mil metros quadrados por ano, o equivalente a dezenas de megawatts.

A companhia é fruto da parceria do Csem Brasil com o BNDESPar, FIR Capital, Tradener e CMU Energia. O Csem Brasil é o responsável pelo desenvolvimento da tecnologia necessária à produção das chamadas placas OPV (sigla em inglês para painéis fotovoltaicos orgânicos). O método, 100% brasileiro, surge como a mais nova solução para a geração de energia solar.

“São painéis orgânicos feitos com materiais plásticos não tóxicos, num processo produtivo inovador e único no mundo. Isso não somente vai permitir com que Minas e o Brasil liderem a próxima geração de painéis, mas também permear a possibilidade da produção de eletrônica orgânica no Estado. Temos todas as condições para, futuramente, sediar um Vale da Eletrônica Orgânica por aqui”, resume o CEO do Csem Brasil e sócio da FIR Capital, Tiago Alves.

Alves explica que a fábrica já está em operação, trabalhando em projetos iniciais customizados para segmentos diversos e atendendo a parceiros de grande relevância, como Fiat e Votorantim. Segundo ele, os primeiros seis meses de atuação serão dedicados a projetos customizados. Depois os painéis serão disponibilizados para um mercado mais amplo. “No próximo mês, por exemplo, já será possível avistar os filmes na fachada de um prédio em São Paulo”, revela.

A Sunew conta com um método diferenciado de impressão de painéis fotovoltaicos usando materiais orgânicos. A capacidade produtiva da planta inaugurada em Belo Horizonte existe em escala apenas na Europa e no Japão. “De todas as fontes renováveis de energia, a solar é mais disponível e a que mais cresce no mundo. O Brasil tem grande potencial de participação nesse mercado, hoje liderado por países como Alemanha e Espanha. E que deve crescer, em média, 10,5% nos próximos anos”, explica.

Diferenciais  - O CEO ressalta que os principais diferenciais da geração de energia em OPV dizem respeito à espessura e à flexibilidade. Mas pondera que o custo ainda é elevado, inclusive superior às tradicionais placas de silício. Porém, ele lembra que as inúmeras possibilidades de aplicações do filme permitem à empresa explorar mercados ainda não tão acessíveis às tecnologias tradicionais, sobretudo pelo aspecto do design, transparência, maleabilidade e peso. “Entre as diversas aplicações possíveis estão fechadas de prédios, mobiliário urbano, superfícies de reservatórios, automóveis e galpões metálicos”, cita.

Já o CEO da FIR Capital, David Travesso, destaca a aposta da empresa no negócio, bem como dos parceiros, citando o governo de Minas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) e da Secretaria de Ciência e Tecnologia.

“Esperamos que esse negócio sirva de base para a concepção de uma nova indústria no País. A Sunew foge dos padrões da indústria tradicional. E nosso principal objetivo é transformá-la em uma grande oportunidade de negócios. Além dos objetivos empresariais de retorno, desejamos que sirva como desafio para que tenhamos outros empreendedores fazendo a mesma coisa para o Brasil, pois acreditamos que a transformação do País passa pela necessidade de se fazer diferente do que se faz hoje”, conclui.

Fonte: http://www.diariodocomercio.com.br/noticia.php?tit=fabrica_de_filmes_fotovoltaicos_e_inaugurada_em_belo_horizonte&id=162402